Blog do Mauro Beting

Clássico do futuro. Santos 1 x 2 Palmeiras

Mauro Beting

Nem os números do Footstats conseguem demonstrar tudo que foi o jogaço

36 finalizações! Trinta e seis chutes a gol contou o Footstats  – eu perdi as contas.

18 do mandante Santos que não perdia na Vila Belmiro para o Palmeiras desde 2011 – no ano em que Santos 4 x 5 Flamengo foi o maior jogo no Brasil deste século. Também 18 finalizações do visitante Palmeiras.

Fernando Prass, com pelo menos 6 defesas absurdas (a da cabeçada de Lucas Verissimo, e uma de Vitor Bueno com o jogo já paralisado) e Vladimir (infeliz apenas no empate do Jean, aos 40 do segundo tempo) não mereciam ter as metas vazadas.

Mas o torcedor merecia ver o placar ''justo''. Fosse um 7 x 6 como março de 1958, para o Santos de Pelé, no Rio-São Paulo, contra o Palmeias de Mazola, nenhum absurdo. O Santos chutou 18 vezes (11 certas). O Palmeiras concluiu 18 oportunidades (metade delas na meta alvinegra).

Em chances reais, 15 santistas, 13 palmeirenses.

Um absurdo.

Barcelona 6 x 1 PSG teve 29 conclusões. E quando se tem esse espetáculo numérico, normalmente é para um time só. Manchester City 5 x 3 Monaco foram 25, mais equilibradas. Mas nada como Santos x Palmeiras.

Desta vez foram 18 para cada lado. Um primeiro tempo em que o Santos era melhor até os 10 minutos finais, com duas bolas na trave (e um gol modelo Nilson-15 perdido por Vitor Bueno), quando o Palmeiras resolveu chegar e equilibrou. Na segunda etapa, com Zé Roberto no meio e Egídio na lateral, o time de Dorival Júnior empilhou as oportunidades que Prass só não conseguiu defender a bola que bateu em Jean e sobrou para Ricardo Oliveira.

Quando o Palmeiras foi mais à frente, abusou do ótimo banco que tem, e virou em três minutos, lembrando o empate que foi buscar em 74 segundos na semifinal do SP-16.

Um jogo em que o futebol foi o enorme vencedor na Vila.

P.S: ''Clássico da saudade'' é um termo besta. Pelo presente e pelo futuro das equipes em 2017. E contando.

O clássico foi tão bom que não merece críticas, nem contestações.

Foi digno da glória de santistas e palmeirenses. Gigantes que ''vivem de passado'' por terem história.
A PROPÓSITO: FOOTSTATS INFORMA:
Desde São Paulo 3 x 0 Ponte Preta em 2015 não havia um jogo entre as principais equipes brasileiras com 20 finalizações certas em 90 minutos. Muita coisa. 

Em jogos da Seleção em Copas, contando Eliminatórias, desde 4 x 2 no Peru, em 1970, não havia partida com 20 finalizações certas.  Foram então 41. Com 21 certas.