Blog do Mauro Beting

Eles vão ter de nos engolir. Bolívia 0 x 0 Brasil.

Mauro Beting

Tem como jogar na altitude. Mas não tem como cobrar nada por lá. Ainda mais em jogo que vale mais como treino do que Copa para Tite e para os dele. Lamentável, além do placar inesperado, apenas a lesão de Thiago Silva, que também impediu melhor avaliação.

 

A falta de resistência no ar nos mais de 3.600m deixa a bola mais rápida e sinuosa. O chute sai impreciso como a primeira tentativa de Neymar. O passe sai mais torto como muitas das tentativas brasileiras. E mesmo dos bolivianos. Nem eles se entendem se não são de lá. E, mesmo se forem, um mês longe e o organismo precisa se adaptar ao retorno.

 

Também por isso a fraca Bolívia errou passes e ajudou a criar chances que Neymar e Gabriel Jesus normalmente não perdem. Mas desperdiçaram. Em grandes defesas de Lampe. E em duas impressionantes do zagueiro Valverde, sobre a linha.

 

Em condições normais de temperatura e pressão e futebol, o Brasil teria jogado pouco no primeiro tempo e teria feito dois ou três.

 

Na segunda etapa, Lampe (que já deve ter recebido minuta de contrato do São Paulo) fez pelo menos mais quatro grandes defesas (algumas em que as bolas bateram nele) e garantiu um empate sem gols inesperado. Foi a pior atuação de uma equipe boliviana em La Paz. Uma das melhores do Brasil também por isso.

 

O zero a zero foi mentiroso. E, para falar a verdade, como diria de passagem o craque Neto, foi um jogo que, de zero a 10, como diria o Casão, o Brasil mereceu 8 e, a Bolívia, 4.

 

Veja a análise de Gustavo Roman