Blog do Mauro Beting

Pra frente, Brasil! Pra Copa, Argentina!

Mauro Beting

A Alemanha Ocidental também perdeu para a Oriental em 1974 só pra não enfrentar a Laranja Mecânica holandesa na fase semifinal de 1974. Na final em Munique, os cínicos e clínicos alemães foram melhores em 90 minutos e venceram a Holanda que foi melhor nas seis partidas anteriores.

 

Jogar com o regulamento nas chuteiras não é crime. Se puder escolher adversário menos complicado, jogue-se. Ou não jogue. Mas aguente as consequências.

 

Não queria escrever este texto. Ainda mais depois de três dias de quase folga na Argentina. Onde nenhum hincha me pediu para nosso Brasil vencer o Chile. Pode ser orgulho. Não querer fatura pendurada. Mas a matemática, a tabela e a incompetência platina nos levaram à situação. Plomo o plata?

 

O Brasil que jogue o que tem de jogar. Ainda mais em casa. Pela capacidade técnica e coletiva, pela seriedade da Seleção da CBF, mais da Seleção que da CBF, pelo profissionalismo dos chamados, pela convocação da seriedade, e mesmo pela amizade entre brasileiros e argentinos construída nos clubes e na carreira, este texto é desnecessário para um jornalista.

 

Mas, para um torcedor, vale muito. Até porque deixar a Argentina chegar é sempre perigo. Deixar Messi por perto, então…

 

Só que há como conceber Copa sem Argentina? Mundial sem Messi e bela companhia que ainda não funcionou como tal?

 

Mil vezes me arrepender com a volta olímpica deles na Rússia a um bilhão de noites mal dormidas por uma partida não devidamente jogada.

 

Vamos pro jogos. E vamos com os co-hermanos para a Rússia.

 

Veja a Análise de Gustavo Roman de Brasil 3 x 0 Chile

 

Veja a análise de Gustavo Roman dos outros jogos da última e emocionante rodada das eliminatórias sul-americanas para a Copa de 2018