Blog do Mauro Beting

É possível, Grêmio

Mauro Beting

Desta vez não será aquela expectativa lancinante durante o dia, a tarde, a noite até a explosão da madrugada de Portaluppi. O Grêmio campeão do mundo azul em 1983 vencendo o Hamburgo no Japão.

Desta vez não será aquela angústia da madrugada não dormida para acordar do sonho e quase o fazer realidade contra o espetacular Ajax em 1995. Um dos melhores times dos últimos 30 anos no planeta só ganhou o mundo do Grêmio de Scolari nos pênaltis. Com um jogador a mais. Com muito mais time. Mas não mais superação.

Desta vez é no meio de uma tarde de terça. Contra o campeão da Concacaf. Parece cacófato. Mal parece um campeão. Tem Honda que já foi bom. Tem um goleiro de 1m72 e 44 anos que não é ruim. Jogou pedrinha na fase anterior e com um a mais também só ganhou na prorrogação do rival africano Wydad Casablanca.

O Grêmio não terá Arthur. Mas terá o Grêmio. Para se classificar. Para ainda sonhar contra o Real Madrid que não tem sido aquele. Mas é ainda Madrid.

O sonho tricolor é real. Acredite. Como normalmente acredita além da conta o gremista. O Ajax de 1995 estava mais time e jogava mais bola que o atual momento merengue. É possível. É Grêmio. Sem pachequismo.

Mas, antes, tem Pachuca. Tem de respeitar. Tem de tomar cuidado. Tem de fazer tudo que normalmente o Grêmio faz. Acreditar mais do que torcer. O que não significa empáfia. Jactância. Confiança excessiva.

É preciso jogar o jogo. É preciso ser o Grêmio que copa.