Blog do Mauro Beting

Salah moleque! Liverpool 5 x 2 Roma

Mauro Beting

Até 28 minutos, Anfield era território romanista do Mare Nostrum gialorosso. Uma bola no travessão em chute espalmado por Karius mostrava o acerto da ideia inicial de Di Francesco. Um 5-2-2-1 que virava um 3-4-2-1 com a projeção dos alas Florenzi e Kolarov. Os Reds mais rifavam a bola do que a trabalhavam, também pela saída de Ox-Chamberlain, lesionado no joelho.

Mas, dos 28 até o final do excelente primeiro tempo, o Liverpool voltou a ser aquela maré vermelha que encanta. Nenhuma equipe tem atacado tanto e marcado tantos gols e marcado tanto a saída de bola quanto mais um time intenso de Klopp. O bote do perde-pressiona que daria no primeiro golaço de Salah, aos 35, em bola recuperada por Henderson e bem defendida por Wjnaldum (que entrou muito bem). Tiro no ângulo indefensável do Rei do Egito e soberano de Anfield. Autor do segundo gol em mais uma arrancada diabólica do tridente vermelho.

Segundo tempo, Di Francesco tirou Under que sentiu o jogo que nunca foi de Nainggolan. O Liverpool suportou uma pressão inicial da Roma. Mas quem fez gols com naturalidade foi o Liverpool. Mané, Firmino, Firmino de novo subindo de cabeça tudo que baixou a própria e o moral o time da Roma. Cinco a zero. O que era demais pelo que era o jogo até 28. E poderia ser mais pelo que vinha sendo até 35 do segundo tempo.

Quando a Roma diminuiu no único bom lance do artilheiro Dzeko. Três minutos antes de uma mão na bola de Milner dar a chance para Perotti bater muito bem o pênalti e deixar a Roma na mesma condição em que virou a classificação contra o Barcelona.

O que parecia impossível ficou dificílimo e terminou ainda possível. Por ser esta Roma. Por ser aquele futebol lindo que jogaram as equipes na Inglaterra.

Mas difícil imaginar o Liverpool bobeando tanto. Muito difícil conceber esse time não fazer gols nessa fase esplendorosa de Salah.