Blog do Mauro Beting

O contragolpe: um tempo bastou para Nigéria 2 x 0 Islândia

Mauro Beting

Eu não dava uma bola furada pela Nigéria por tudo aquilo que não tinha visto da Nigéria na estreia. Esperava ao menos mais um empate da Islândia. A armadilha do contragolpe acabou dando dois golaços para os africanos

1º TEMPO – A Islândia mostrou que também sabe jogar com a bola e propor o jogo diante de um rival sem a menor inspiração. Foi melhor que a Nigéria que mais uma vez nada fez à frente.

2º TEMPO  – Mais um lateral batido pelos islandeses na área desta vez deu num belo contragolpe que Musa finalizou com imensa frieza e categoria, aos 3. A Islândia sentiu e a Nigéria mandou por mais 20 minutos quando a Islândia conseguiu reequilibrar até ima arrancada sensacional de Musa dar em outro golaço, aos 30. O pênalti de VAR desperdiçado na sequência foi muito dolorido para a Islândia que merecia melhor sorte.

CHANCES DE GOL –  ISLÂNDIA 3 X 0 primeiro tempo;  ISLÂNDIA 4 X 4 segundo tempo – FINAL: ISLÂNDIA 7 X 5

O LANCE – Pênalti bem marcado pelo VAR, e muito mal batido por Sigurdsson por sobre o travessão, quando vencia a Nigéria por 2 a 0.

O CARA – Musa já é o maior artilheiro nigeriano em Copas. Pela velocidade e qualidade de dois golaços, merece todo o mérito.

TÁTICA – Islândia no 4-4-2 imutável, mas com as linhas adiantadas do que as paredes de handebol contra a Argentina. Nigéria mudou para um 3-1-4-2 que, sem a bola, recuava Mikel como um pêndulo em um 3-1-4-2.

NOTAS DO JOGO – ISLÂNDIA 5 X NIGÉRIA 6 – JOGO NOTA 5

O CHUTE INICIAL –  Islândia 1 x 1 Nigéria (bolão da firma)

NO FRIGIR DAS BOLAS  – A Islândia já está fazendo história. E não tivesse Musa inspiradíssimo na segunda etapa poderia ter feito um pouco mais. A Nigéria ainda pode sonhar pelo excelente segundo tempo depois de três tempos medíocres.

Veja a análise do jogo de Gustavo Roman