Blog do Mauro Beting

Cássio e Sidão

Mauro Beting

Ronaldo Giovanelli jogou 601 jogos pelo Corinthians dele. Nenhum goleiro foi mais corintiano do que ele. Melhor – em outra época – foi o bicampeão mundial Gilmar. Dida foi maior goleiro em menor período. Cássio é o maior de todos em tamanho.

Mas, nas reiteradas palavras de Ronaldo, Cássio já é o maior da história do clube onde chegou em 2012 para ganhar tudo. A Libertadores invicto graças a ele. Mais um Mundial muito devido à Muralha do Japão que foi contra o Chelsea. Brasileiros, Paulistas, Recopa. Só esta faltando Copa do Brasil.

Mas não parece faltar nada quando ele está lá não só como um goleiro grande. Mas um grande goleiro mesmo. Capaz das quatro defesas que fez contra o Botafogo que segue bravo mesmo perdendo atletas e treinadores. Fogão que merecia melhor sorte em Itaquera. Cássio que merece todos os elogios pelo que fez.

Aquela que defendeu no cantinho esquerdo e no rebote ainda salvou com o pé direito é lance para emoldurar na memória.

Defesas que compensaram deslizes em algumas saídas que não se pode admitir para o goleiro que é, pelo clube que defende, pelo tamanho que tem.

Mas Cássio tem feito tanto pelo Corinthians que já é algo maior do gigante que é na meta e em Itaquera.

Algo que Sidão a duras penas, bolas e defesas não consegue ser até quando vai bem como foi muito bem no Maracanã na baita vitória do São Paulo. Antes das duas importantes defesas que fez contra o líder Flamengo, saiu com os pés de modo inexplicável no fim da primeira etapa, e deixou bisonhamente chute de longe de Paquetá passar pelo corpo dele.

Toda a sensação de segurança que Cássio passa ao Corinthians o Sidão não consegue nem quando vai bem no São Paulo. Os nada do que fez muito errado acontece pior.

É algo que só o tempo conserta. Se conseguir.