Blog do Mauro Beting

Embolando. Atlético Mineiro 1 x 0 São Paulo.

Mauro Beting

ARTE: MILTON TRAJANO

Atlético e São Paulo fazem campeonato muito melhor do que a encomenda. Fizeram um bom jogo no Independência que acabou condicionado e definido pela infelicidade de Régis ao se atrapalhar num rebote de bola na trave de Sidão, aos 8 minutos, depois de ele mesmo vacilar na marcação do Ricardo Oliveira que não se pode marcar bobeira. Como o São Paulo acabou marcando seu segundo gol contra seguido em duas partidas distintas. Deve ser um recorde do clube.

O gol logo de cara obrigou o melhor visitante do BR-18 a ter que propor um jogo que não é muito a dele. E com os desfalques de Bruno Peres, Arboleda, Diego Souza e sobretudo Everton para dar essa arrancada no contragolpe, ficou mais complicado. Mesmo com o bom retorno de Nenê e a aceleração de Rojas.

É o problema paulista e também mineiro. Têm equipes jogando bem e ganhando seus pontos. Mas com elencos limitados mesmo para um só front em luta.

O Atlético não sentiu tanto a ausência de Chará, e ganhou qualidade com Galdezani pera iniciar o jogo no meio. Fez o dele. E não sei se poderá fazer o que o São Paulo precisa fazer para ontem: ainda mais.

Não que tenha jogado mal o ex-líder. Criou bastante pela necessidade e dificuldade. Mas não rolou tudo que vinha dando certo. A segurança e confiança que se tinha no desempenho parece agora uma bola cruzada na área tricolor com Sidão na meta. Não se sabe o que vai ser.

BOTA-TEIMA – Aos 6 do segundo tempo, a bola bateu no braço esquerdo de Leonardo Silvq depois de bater no peito dele, após casquinha de Hudson. Para mim, caso típico de bola que espirra e muda de direção e não é falta (logo, não seria pênalti). Mas, como todo lance de mão na bola/bola na mão, TODA INTERPRETAÇÃO É VÁLIDA. TODA. NÃO EXISTE DONO DA VERDADE.

Eu não marcaria pênalti. Mas é um que se pode marcar.