Blog do Mauro Beting

Campeão nacional não garante título continental

Mauro Beting

Mais um campeão brasileiro não passa das oitavas da Libertadores. Foi assim nas últimas cinco competições.

Mas é quase sempre assim desde o primeiro título brasileiro no torneio. O Santos foi bicampeão em 1962 e 1963 também como campeão nacional, pelas Taças Brasil de 1961 e 1962 – e, em 1963, também pela condição do título continental de 1962. Natural: além de Pelé e companhia ilimitada, só os campeões brasileiros tinham direito de jogar a Libertadores.

O Cruzeiro campeão da América em 1976 havia sido vice do Brasil em 1975. O Grêmio campeão
de 1983 foi vice nacional em 1982. O São Paulo bicampeão em 1993 entrou na disputa como campeão continental de 1992. O Grêmio de 1995 ganhou a Copa do Brasil do ano anterior. Como o Cruzeiro campeão da Libertadores de 1997 chegou pelo atalho da Copa do Brasil. Como faria também o Palmeiras de 1999.

O São Paulo de 2005 não foi campeão brasileiro de 2004. O Inter de 2006 também não venceu o título de 2005. O Inter de 2010, a mesma história. O Santos de 2011 chegou como campeão da Copa do Brasil. O Galo de 2013 veio pelo BR-12. Mas não como campeão.

Flamengo-81. São Paulo-92. Vasco-98. Corinthians-12. Mais os Santos dos primeiros anos são os únicos seis brasileiros campeões da Libertadores que chegavam como campeões nacionais.

Nas outras 11 conquistas, ninguém era campeão nacional.

É dificílimo manter o pique de uma temporada a outra. Como mal sabem o Palmeiras-17, Corinthians-16, Cruzeiro em 2015 e 2014, e Fluminense-13.