Blog do Mauro Beting

Mário Sérgio

Mauro Beting

Hoje tinha que ser como presente para nós

o aniversariante Mário Sérgio comentar a decisão com o Paulo Julio Clement, na narração do Deva Pascovicci, com a reportagem do Victorino Chermont, coordenação do Jumelo, e as imagens de Rodrigo Santana.

Antes fosse convocação para 2018, né, René Simões? Mas era a lista de chamados para a Copa de 2014 em que nós três e mais um timaço do Fox Sports trabalhamos como torcemos. Juntos. Dois anos antes daquela viagem que não teve volta. Daquele meu desabafo para amigos que vazou e que eternamente não terei palavras para pedir desculpas à mulher e à família que tiveram mais um desgaste. Nada comparado a tudo que hoje celebram no aniversário do Mário Sérgio. O mais completo que já vi em todos os campos e cantos do futebol. Fez de tudo. E muito bem. E também muito mal. Na sacanagem reconhecida. Na sabedoria conhecida. Craque e ídolo que virou colega que virou amigo. Trabalhamos na Band, Bandsports e Fox Sports. Aprendi o vendo em campo, o ouvindo fora dele, e gargalhando sempre nos programas. Principalmente quando não podíamos. Isso era puro Mário. Ele fazia poder. Mesmo que não fosse o certo, parecia ser o mais correto a ser feito, desfeito, e mesmo com defeito. Pena que essa vida é errada. Algumas escolhas, escolas e escalas dão errado. E por isso Mário já não está mais entre nós. Mas, Mara e família, toda a força que eu não consegui dar. Ele lá em cima, ao lado dele, estão com vocês. Como ele continua no meio de nós. Olhando para um lado e tocando para o outro. Vesgo que enxerga demais. E ainda nos ilumina.