Blog do Mauro Beting

CAP é capaz de fazer. Athletico campeão da Sul-Americana

Mauro Beting

Em Barranquilla, Pérez mandou no travessão o pênalti que daria a vitória ao bom time do Junior, mais desgastado fisicamente pelo calendário que o Athletico poupou sábia e corajosamente no PR-28 que venceu com o sub-23. 

Na Arena lotada, 1 a 1 justo pelo que vinha sendo a decisão até os 7 finais da prorrogação. Barrera mandou por cima mais um pênalti desperdiçado pelo time colombiano. E teriam mais dois decisivos nas cobranças até o gol do campeão Thiago Heleno. 

Esse é o resumo seco do que foi o título suado como merecido do time do Pablo que fez o primeiro em bela enfiada do Raphael Veiga que mereceria ampliar o placar. aos 27 segundos da segunda etapa não fosse o goleiro Vieira. Do time do Bruno Guimarães que joga bem e bonito como a equipe do Tiago Nunes e que não merecia sofrer como o abusado Renan Lodi, que perderia o que seria o gol do título que acabou aos pés de Thiago Heleno jo pênalti final. Outro patrão do time do inesgotável Lucho González. 

Quer dizer, o argentino também prega. E quando entra Wellington pra tapar buracos, nem sempre os consegue. Como foi a etapa final até o apito definitivo na prorrogação. Depois do desatino que deu no gol de empate de Theo Gutierrez, o Furacão perdeu a força que nem as travadas gargantas da Baixada conseguiram reverter pelo nervosismo natural. E pelas mãos nas cabeças quando Santos cometeu o pênalti que Barrera isolaria. Nessa sequência absurda de quatro bolas ou na trave ou para fora nas penalidades mais do que máximas para os colombianos. 

Momentos em que a ar que move esse Athletico parou. A disputa de pênaltis rubro-negra não foi só nos tiros livres do ponto penal. Foram com a bola rolando mas parada cardíaca como a torcida nas cobranças que pareciam dividas eternas. Nisso também os Atléticos se uniram. O de Barrera pareceu o de Riascos no Independência, em 2013. Então, São Victor. Agora, todo o Santos que não precisou fazer milagre. Barrera subiu a bola e caiu prostrado. 

Só o athleticano sabe o que sentiu na hora H no primeiro dia do novo velho nome. Só ele merece a grande festa pelo título. Talvez mais um marco desse clube que faz questão de incomodar. Quer ser muito maior do que já é. 

E está no caminho certo. Virando as coisas pro ar. Tirando os obstáculos pela frente e criando outros pelo espaço que pretende ocupar. 

É assim que se faz. E é capaz que o CAP faça.