Blog do Mauro Beting

Lógica. Cruzeiro 1 x 0 Corinthians.

Mauro Beting

Vai ter volta. Há um jogo. Um placar reversível para os paulistas. Mas o campeão da Copa do Brasil de 2017 começou a decisão como pareceu o primeiro turno das eleições brasileiras. O favorito levou. E pinta como vencedor da disputa final pelo que fez no Mineirão e pelo que o rival, mais uma vez, não fez fora de casa.

Claro que tem volta. Ainda há tempo. E sem entrar no mérito e nos deméritos das urnas de domingo, o paralelo é parelho. O Cruzeiro foi melhor no primeiro tempo, criou cinco chances, marcou com Thiago Neves na última, e, na segunda etapa, chegou mais duas vezes. E só. Mas muito mais que o rival.

Fez ainda muito mais que o Corinthians que não teve nenhuma oportunidade na primeira etapa, e mais nenhuma na segunda. Se já havia criado nada contra o Colo-Colo no Chile e quase nada contra o Flamengo no Rio, desta vez se superou negativamente o ainda campeão brasileiro.

No primeiro tempo, quase nada se viu com o time de Jair ainda mais fechado do que se esperava. Com Jadson adiantado e Vital perdido por dentro, Romero pouco criando e não acompanhando Egídio na bela jogada que daria no gol de TN na cabeçada que de novo bateu em Henrique, Clayson dando um belo chapéu no meio. E mais nada. Fábio apenas assistiu a um jogo que só agradou por ser decisão.

O Cruzeiro quis ser e foi muito melhor. Com Cabral e Henrique chegando mais, os laterais soltos, bastante movimentação da turma da frente, o time de Mano foi e é mais time. As melhores chances foram com Thiago Neves, de canhota de longe, de cabeça, e até de pé direito na trave de Cássio. Não fosse o goleiro alvinegro fazer uma defesa impressionante na cabeçada de Henrique, o gol já teria saído.

No final das contas, deu a lógica. Mas ainda tem jogo. O Corinthians está vivo. Só que o Cruzeiro parece muito mais vivo. A vantagem é significativa.