PUBLICIDADE
Topo

Em dezembro de 2019... Liverpool 2 x 1 Monterrey

Mauro Beting

18/12/2019 16h24

O Liverpool entrou apenas com Alisson na meta (e sorte dos Reds que ele foi pro jogo), Robertson na lateral-esquerda, Henderson improvisado na zaga pela esquerda, Milner quebrando o galho na lateral-direita, e Salah na dele.

Só.

Só quatro titulares absolutos. Um deles fora de posição.

Descanso? Descaso? Mais a primeira opção. Mais lógica.

Matip e Lovren estavam lesionados. Van Dijk era melhor mesmo que não jogasse por ter se sentido mal antes do jogo. Fabinho só volta em 2020. Wijnaldum ainda se recupera.

O Monterrey é bom time. Tem bons jogadores (9 deles atuam em selecoes sul-americanas). Jogou bem. Mas com 11 minutos já dava a lógica. Keita recebeu lindo passe de Salah e fez 1 a 0. O time mexicano respondeu explorando bolas às costas da adiantada linha inglesa. E empatou aos 13, com Funes Mori, em bobeada do sistema defensivo.

Alisson evitou pelo menos outros dois, até o Liverpool começar a se achar. E cansar o Monterrey.

Keita começou a pisar mais na área com o espaço cedido por Origi que abriu bastante. Na segunda etapa, o time mexicano aguentou o tranco. Chegou algumas vezes bem defendidas por Alisson. Até que aos 22 Klopp passou a chamar a cavalaria. Mané veio a campo no lugar do improdutivo Shaqiri. Mas o meio sentia a ausência de Wyinaldum e a presença de Ox-Chamberlain que ficou muito tempo fora de jogo.

Quando ele encontrou Milner, Origi perdeu um daqueles gols que ele achou na fase decisiva da Champions. Na sequência veio Alexander-Arnold para mostrar que o Liverpool não estava para brincadeira. Pode não ser a prioridade. E não é mesmo. Mas quer o mundo que ainda não conquistou nas três vezes que tentou (fora mais duas que desistiu de disputar).

Aos 39 veio Firmino. Outro que deveria ter chegado antes para evitar a prorrogação que ajudaria demais o Flamengo pelo evidente desgaste físico menor no torneio com 30 minutos a mais de bola rolando, e um dia a menos de descanso para o campeão europeu.

Bastou. Aos 45, Salah fez o salseiro pela direita e rolou para o excelente Alexander-Arnold passar com categoria para Firmino ser o que é na Europa e não no Brasil de Tite.

Aquilo que o Liverpool não foi na semifinal. Mas que pode ser na grande decisão que promete ser a mais equilibrada dos últimos anos.

Sobre o Autor

Mauro Beting é comentarista do Esporte Interativo e da rádio Jovem Pan, blogueiro do UOL, comentarista do videogame PES desde 2010. Escreveu 17 livros, e dirigiu três documentários para cinema e TV. Curador do Museu da Seleção Brasileira, um dos curadores do Museu Pelé. Trabalhou nos jornais Folha da Tarde, Agora S.Paulo e Lance!, nas rádios Gazeta, Trianon e Bandeirantes, nas TVs Gazeta, Sportv, Band, PSN, Cultura, Record, Bandsports, Foxsports, nos portais PSN, Americaonline e Yahoo!, e colaborou nas revistas Placar, Trivela e Fut! Lance. Está na imprensa esportiva há 28 anos por ser torcedor há 52. Torce por um jornalismo sério, mas corneta o jornalista que se leva muito a sério

Sobre o Blog

O blog fala, vê, ouve, conta, canta, comenta, corneta, critica, sorri, chora, come, bebe, sofre, sua e vive o nosso futebol. Quem vive de passado é quem tem história para contar. Ele tem a pretensão de dar reload no que ouvi e li e vi e fazer a tabelinha entre passado e presente para dar um toque no futuro.

Blog do Mauro Beting