Blog do Mauro Beting

Neymar honra o sobrenome do treinador austríaco: Brasil 3 x 0

Mauro Beting

  1. Franco Foda (pronuncia-se Neymar) faz ótimo trabalho de recuperação de uma equipe que vinha de 8 vitórias e 3 empates até enfrentar o Brasil que só sofreu cinco gols com Tite desde setembro de 2016. Vinha jogando bem e batendo muito a Áustria até o gênio brasileiro marcar um golaço daqueles que o irmão mais velho faz no caçula no quintal de casa: bunda no chão do zagueiro, bola no meio das canetas do goleiro. Uma valsa em Viena.
  • A única coisa ruim do Brasil que estreia em uma semana contra a Suíça é que não tem coisa ruim na Seleção. Já falei pro Tite: demite seu filho. Xinga o Neymar. Escala o Taison. Arrume uma crise. Seleção não pode chegar tão bem numa Copa. Dá zica. Não tem jogo.
  • O Brasil não chegava jogando tão bem e treinando tão firme desde… Desde…
  • (Em 2006 o time parecia melhor. Mais estelar. Menos pressionado. Mas treinou mal em Weggis. E a estrela maior chegou desgastada e desencanada – Ronaldinho. O Fenômeno nunca foi coadjuvante. Mas Ronaldo não era então o desequilibrante. Era o Gaúcho.
  • O time para começar a Copa é esse. Com potencial para terminar. O 4-3-3 com triângulo de base alta no meio é o time, com Coutinho armando como interior esquerdo, e recompondo pela esquerda. Na segunda etapa jogou mais aberto, deixando Neymar mais solto e centralizado. Ele só não jogou mais do que o 10 brasileiro.
  • A Áustria é bom time e só deixou o Brasil chegar de longe até o primeiro gol, quando Jesus se aproveitou da posição de impedimento para marcar gol de categoria. De titular do time.
  • Eles bateram demais no segundo tempo. E a Seleção jogou demais até fazer 3 a 0. Com Firmino bem na enfiada para outro golaço de Coutinho. Firmino é o primeiro reserva do Brasil. Fernandinho, o segundo.
  • Casemiro marcou por todos na primeira etapa mais complicada e só não conseguiu proteger os laterais ainda problemáticos. Danilo deu espaços. Mas menos do que Marcelo.
  • Willian foi dos melhores contra a Croácia. Foi o mais discreto contra a Áustria. Não flutuou, pouco driblou, não deu o corredor para Danilo, nem uma mão a ele na contenção.
  • Espanha, Brasil, Alemanha e França. A Copa é deles. O prazer será nosso.
  • Em 1958, primeiro jogo do primeiro Mundial do penta foi contra a Áustria. Também foi 3 x 0. Coincidência? Ou estatúpida?