PUBLICIDADE
Topo

O torcedor profissional e o remunerado

Mauro Beting

24/11/2019 21h19

Parte do elenco do Palmeiras passou debochando na frente da loja oficial do Flamengo, no aeroporto de Santos Dumont, depois de ganhar o deca contra o Vasco, em 2018, deixando o Flamengo como vice. Foi filmado e postado.

Parte do elenco do Flamengo, puxado por Gabriel Barbosa, cantou em gravação em rede social a musiquinha que tentar debochar do Palmeiras, maior rival rubro-negro em disputa dos principais títulos, desde 2016. Tá no ar, em 2019.

Como esteve quando boa perto do Athletico zoou Gabriel na eliminação na Copa do Brasil de 2019, no Maracanã.

Deboche de lado a lado que era mais natural e melhor aceito há décadas. Ou resolvido lá dentro. Hoje virou caso de polícia. Também pela soberba de alguns, e pela falta de espírito esportivo de muitos. Algo que jamais se pode cobrar. Mas apenas torcer.

Algo que dificilmente conseguimos fazer hoje em dia. Sejamos profissionais ou não. Torcedores ou não.

Que tudo fique na provocação apenas. Não na privação das faculdades mentais.

Quem zoa precisa saber ser zoado. Muitas vezes não sabe nem zoar e muito menos ser zoado.

Claro que há limites. Ou deveria haver.

Sou dos que zoam mas aceitam ser zoados. Na minha. Não no ofício.

O problema é que alguns profissionais mais remunerados que profissionais não conhecem limites. Mesmo ganhando muito acabam se perdendo.

O futebol também é a alegria da desgraça alheia. Amo o meu time e odeio o seu. Tá valendo. Quero mais que o seu time perca do que o meu ganhe. Também é do jogo. Vou zoar a sua derrota já que não consigo celebrar a minha vitória. Também faz parte.

O que não pode nunca é sair na porrada.

Algo fácil nestes dias tristes de muita intransigência, intolerância e ignorância. Quando se troca a própria alegria pela alergia alheia.

Um dia é do porco, outro do urubu. Nesse mundo animal de ânimos exaltados só peço um pouco mais de racionalidade de todos os lados. Para quem vive de ração e/ou reação.

Gabriel, por ora, atiça muito e tem segurado a onda. Quem procura acha revolta. Era assim com Paulo Nunes, Edilson, Edmundo. Eles aguentavam o tranco que criavam com suas broncas e brincadeiras.

Quem se acha também se perde.

Sobre o Autor

Mauro Beting é comentarista do Esporte Interativo e da rádio Jovem Pan, blogueiro do UOL, comentarista do videogame PES desde 2010. Escreveu 17 livros, e dirigiu três documentários para cinema e TV. Curador do Museu da Seleção Brasileira, um dos curadores do Museu Pelé. Trabalhou nos jornais Folha da Tarde, Agora S.Paulo e Lance!, nas rádios Gazeta, Trianon e Bandeirantes, nas TVs Gazeta, Sportv, Band, PSN, Cultura, Record, Bandsports, Foxsports, nos portais PSN, Americaonline e Yahoo!, e colaborou nas revistas Placar, Trivela e Fut! Lance. Está na imprensa esportiva há 28 anos por ser torcedor há 52. Torce por um jornalismo sério, mas corneta o jornalista que se leva muito a sério

Sobre o Blog

O blog fala, vê, ouve, conta, canta, comenta, corneta, critica, sorri, chora, come, bebe, sofre, sua e vive o nosso futebol. Quem vive de passado é quem tem história para contar. Ele tem a pretensão de dar reload no que ouvi e li e vi e fazer a tabelinha entre passado e presente para dar um toque no futuro.

Blog do Mauro Beting