PUBLICIDADE
Topo

De Dracena a Veron. Palmeiras 5 x 1 Goiás

Mauro Beting

05/12/2019 23h52

Brinco de Ouro. 2019. Gabriel Veron, 17 anos, aos 24min31s da segunda etapa, recebeu do camisa 17 Jean uma bola sem goleiro e marcou seu primeiro gol como profissional. No dia em quem o seu sub-17 venceu a Supercopa do Brasil.

Na hora do almoço ele ganhou um presente inesquecível que ele ainda não recebeu de um amigo meu. É surpresa. O que ele não deverá ser. Porque tem muito talento. É sabido. Como ele sabe bastante. Como mostrou como melhor jogador e campeão mundial Sub-17 pelo Brasil.

Festa em Campinas. Esperada.

E tinha mais. Ele recebeu uma bola longa, dominou com categoria, pedalou e serviu Dudu para o quarto gol, aos 36, na goleada inesperada.

Diferente do talento de quem se espera muita coisa. Para já. Para hoje. Como ele fez o quinto. O segundo dele. Mais uma assistência de Dudu. Algo tão esperado quanto o talento deles.

Há 20 anos, porém, não se sabia ainda o que esperávamos. E também seria lindo.

Matão, domingo pela manhã. 1999. Beto Zini preside o Guarani. Pede na nossa cabine de TV para chamar o estreante zagueiro do seu time que enfrenta a Matonense de Eduardo Luís. E não "Edu Dracena" como foi passado na escalação. "Edu Dracena não é nome de zagueiro". Não?

Pergunte ao torcedor bugrino. Ao do Olympiacos. Do Cruzeiro da tríplice coroa de 2003. Do Fenerbahçe. Do multicampeão Santos de Neymar. Do Corinthians campeão de 2015. Do Palmeiras campeão de 2016. De novo campeão de 2018. Com o seu primeiro gol depois de 107 jogos marcado contra o Santos. Na meta à frente da viúva de Vagner Bacharel. Ela voltou ao estádio pela primeira vez desde a partida do marido, em 1990.

Um gol de cabeça como Bacharel. Um gol de Edu Dracena que jogou muito. Ganhou os títulos que Bacharel não conseguiu pelo Palmeiras. Talvez não tenha em verde a mesma idolatria. Como Bacharel merece muito mais do muito que já tem.

A vida é assim. Nem sempre justa. Mas estas linhas ainda são poucas pra fazer justiça pelo zagueiro que é Edu de Dracena para o mundo da bola. Como foi Bacharel. Meus ídolos não só pelo que nos defenderam. Mas pelo caráter com que defenderam sua profissão como a nossa zaga.

O Eduardo Luís que bateu o pé tão firme como a bola que zagueirou não só emplacou o nome que queria. Ganhou quase tudo zagueirando e honrando o nome dele e da cidade onde cresceu.

E como cresceu.

A ponto de ser respeitosa referência e ter a reverência de todos os clubes em que jogou. Mesmo rivais diretos.

Edu não sai de cena porque não gosto de rima. Edu Dracena porque adoro quem nos defende por baixo e por cima.

O capitão na penúltima partida palmeirense no BR-19. Jogo em Campinas contra o Goiás. No mesmo estádio onde tudo começou para ele. Onde Dudu e Zé Rafael é Gabriel Veron construíram a ótima vitória no Brinco de Ouro. Resultado que ainda dá chance de o Palmeiras ser vice brasileiro. Algo inédito desde 1959: um mesmo clube campeão nacional em um anovice no outro, novamente campeão, novamente vice em quatro anos.

Eduardo Luís, se eu soubesse que você seria tudo isso há 20 anos, naquela transmissão pela Band, eu já teria te chamado pelo nome de guerra e de garra, de raça e de classe.

Como eu não sabia, só quero dizer que foi uma honra trabalhar nos seus jogos. Uma alegria gritar campeão com você.

Sobre o Autor

Mauro Beting é comentarista do Esporte Interativo e da rádio Jovem Pan, blogueiro do UOL, comentarista do videogame PES desde 2010. Escreveu 17 livros, e dirigiu três documentários para cinema e TV. Curador do Museu da Seleção Brasileira, um dos curadores do Museu Pelé. Trabalhou nos jornais Folha da Tarde, Agora S.Paulo e Lance!, nas rádios Gazeta, Trianon e Bandeirantes, nas TVs Gazeta, Sportv, Band, PSN, Cultura, Record, Bandsports, Foxsports, nos portais PSN, Americaonline e Yahoo!, e colaborou nas revistas Placar, Trivela e Fut! Lance. Está na imprensa esportiva há 28 anos por ser torcedor há 52. Torce por um jornalismo sério, mas corneta o jornalista que se leva muito a sério

Sobre o Blog

O blog fala, vê, ouve, conta, canta, comenta, corneta, critica, sorri, chora, come, bebe, sofre, sua e vive o nosso futebol. Quem vive de passado é quem tem história para contar. Ele tem a pretensão de dar reload no que ouvi e li e vi e fazer a tabelinha entre passado e presente para dar um toque no futuro.

Blog do Mauro Beting